Bibliografia


  • Nacionais


    ALMEIDA, P. F. DE; GÉRVAS, J.; FREIRE, J.-M.; GIOVANELLA, L. Estratégias de integração entre atenção primária à saúde e atenção especializada: paralelos entre Brasil e Espanha. Saúde em Debate, v. 37, n. 98, p. 400–415, 2013. Centro Brasileiro de Estudos de Saúde. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042013000300004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt . Acesso em: 8/5/2014.

    ALMEIDA, P. F. DE; GIOVANELLA, L.; MENDONÇA, M. H. M. DE; ESCOREL, S. Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos. Cadernos de Saúde Pública, v. 26, n. 2, p. 286–298, 2010. Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    ALMEIDA, P. F. DE; GIOVANELLA, L.; NUNAN, B. A. Coordenação dos cuidados em saúde pela atenção primária à saúde e suas implicações para a satisfação dos usuários. Saúde em Debate, v. 36, n. 94, p. 375–391, 2012. Centro Brasileiro de Estudos de Saúde. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042012000300010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    BAPTISTA, T. W. DE F.; FAUSTO, M. C. R.; CUNHA, M. S. DA. Análise da produção bibliográfica sobre atenção primária à saúde no Brasil em quatro periódicos selecionados. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 19, n. 4, p. 1007–1028, 2009. Instituto de Medicina Social da UERJ. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312009000400006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    BELATTO, R.; ARAÚJO, L. F. S.; CASTRO, P. O itinerário terapêutico como uma tecnologia avaliativa da integralidade em saúde. In: PINHEIRO, R.; SILVAJÚNIOR, A. G.; MATTOS, R. A. (Org.). Atenção básica e integralidade: contribuições para estudos de práticas avaliativas em saúde. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO, 2008. p. 167-187

    BONET, O. CAMPOS,E.M.S et al. Situação-centrada, rede e itinerário terapêutico: o trabalho dos mediadores. In: PINHEIRO, R.; MARTINS, P. H. Avaliação em saúde na perspectiva do usuário: abordagem multicêntrica. Rio de Janeiro: Cepesc/IMSUERJ, 2009. p. 241-250.

    BOUSQUAT, A.; ALVES, M. C. G. P.; ELIAS, P. E. Utilização do Programa de Saúde da Família em regiões metropolitanas: abordagem metodológica. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 5, p. 903–906, 2008. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000500016&lng=en&nrm=iso&tlng=es>. Acesso em: 8/5/2014.

    BOUSQUAT, A.; GOMES, A.; ALVES, M. C. G. P. Acesso realizado ao Programa de Saúde da Família em área com “alta” cobertura do subsistema privado. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 11, p. 2913–2921, 2012. ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012001100008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    BRANDÃO, A. L. DA R. B. DA S.; GIOVANELLA, L.; CAMPOS, C. E. A. Avaliação da atenção básica pela perspectiva dos usuários: adaptação do instrumento EUROPEP para grandes centros urbanos brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 1, p. 103–114, 2013. ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    CONILL, E.; FAUSTO, M. Análisis de la integración de la atención primaria en salud en la red de servicio en Europa y América Latina. Rio de Janeiro/ Madrid, 2007.

    CONILL, E. M. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafi os para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 24, n. 1, p. 7–27, 2008.

    CONILL, E. M.; FAUSTO, M. C. R.; GIOVANELLA, L. Contribuições da análise comparada para um marco abrangente na avaliação de sistemas orientados pela atenção primária na América Latina. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 10, p. s14–s27, 2010. Instituto Materno Infantil de Pernambuco. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292010000500002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    CUNHA, E. M. DA; GIOVANELLA, L. Longitudinalidade/continuidade do cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da Atenção Primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 1029–1042, 2011. ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700036&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    FACCHINI, L. A.; PICCINI, R. X.; TOMASI, E.; et al. Avaliação de efetividade da Atenção Básica à Saúde em municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil: contribuições metodológicas. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, p. s159–s172, 2008. Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2008001300020&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    GERHARDT, T. E. Itinerários terapêuticos em situações de pobreza: diversidade e pluralidade. Cadernos de saúde pública, v. 22, n. 11, p. 2449-2463 Rio de Janeiro,2006

    GIOVANELLA, L. Redes integradas, programas de gestão clínica e generalista coordenador: análise das reformas recentes do setor ambulatorial na Alemanha. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 1081–1096, 2011. ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700040&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    GIOVANELLA, L.; et al. Saúde da família: limites e possibilidades para uma abordagem integral de atenção primária à saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 3, p. 783–794, 2009. ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000300014&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    GIOVANELLA, L. et al. Saúde nas fronteiras: acesso e demandas de estrangeiros e brasileiros não residentes ao SUS nas cidades de fronteira com países do Mercosul na perspectiva dos secretários municipais de Saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, Sup. 2, p. S251-S266, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v23s2/13.pdf. Acesso em mar 2014.

    HELMAN, Cecil G. Cultura, saúde & doença. Porto Alegre: Artmed, 2003

    IBAÑEZ, N.; ROCHA, J.S.Y.; CASTRO, P.C.; RIBEIRO, M.C.S.A. ; FORSTER, A.C. ; NOVAES, M.H.D. ; VIANA, A. L. d’ Á.; . Avaliação do desempenho da atenção básica no Estado de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n.3, p. 683-703, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232006000300016

    LAVRAS, C. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Saúde e Sociedade, v. 20, n. 4, p. 867–874, 2011. Saúde e Sociedade. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000400005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    MEDINA, M. G.; HARTZ, Z. M. DE A. The role of the Family Health Program in the organization of primary care in municipal health systems. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 5, p. 1153–1167, 2009. Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009000500022&lng=en&nrm=iso&tlng=en>. Acesso em: 8/5/2014.

    MELLO, G. A.; FONTANELLA, B. J. B.; DEMARZO, M. M. P. Atenção Básica e Atenção Primária à Saúde – Origens e diferenças conceituais. Revista de APS, 15. Jun. 2009. Disponível em: <http://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/307>. Acesso em: 11/6/2014.

    MELLO, G. A.; IBAÑEZ, N.; VIANA, A. L. D. Um olhar histórico sobre a questão regional e os serviços básicos de saúde no Estado de São Paulo. Saúde e Sociedade, v. 20, n. 4, p. 853–866, 2011. Saúde e Sociedade. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000400004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    PAPANIKOLAOU, V.; ZYGIARIS, S. Service quality perceptions in primary health care centres in Greece. Health expectations : an international journal of public participation in health care and health policy, v. 17, n. 2, p. 197–207, 2014. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22296402>. Acesso em: 8/5/2014.

    PEREIRA, A. M. M.; CASTRO, A. L. B. DE; MALAGÓN OVIEDO, R. A.; et al. Atenção primária à saúde na América do Sul em perspectiva comparada: mudanças e tendências. Saúde em Debate, v. 36, n. 94, p. 482–499, 2012. Centro Brasileiro de Estudos de Saúde. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042012000300019&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    REINALDO, A. M.S; SAEKI, T.Ouvindo outras vozes: relato de familiares sobre o convívio com o paciente psiquiátrico.
    Rev Esc Enferm USPSão Paulo,v. 38,n. 4,dez 2004.P.396-405

    RODRIGUES, L. B. B.; SILVA, P. C. DOS S.; PERUHYPE, R. C.; et al. A atencao primaria a saude na coordenacao das redes de atencao: uma revisao integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 2, p. 343–352, 2014. ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014000200343&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 3/5/2014.

    SALA, A.; SIMÕES, O.; LUPPI, C. G.; et al. Integralidade e Atenção Primária à Saúde- avaliação na perspectiva dos usuários de unidades de saúde do município de São Paulo.pdf. Saúde Soc, v. 20, n. 4, p. 12, 2011.

    SILVA, H. T.; SOORS, W.; PAEPE, P. DE; et al. Reformas de gobiernos socialistas a las políticas de salud en Bolivia y Ecuador: el potencial subestimado de la Atención Primaria Integral de Salud para impactar los determinantes sociales en salud. Medicina Social, 2009. Disponível em: <http://www.medicinasocial.info/index.php/medicinasocial/article/view/396>. Acesso em: 8/5/2014.

    SILVA, N. C. DA; GARNELO, L.; GIOVANELLA, L. Extensão de Cobertura ou Reorganização da Atenção Básica? A trajetória do Programa de Saúde da Família de Manaus-AM. Saúde e Sociedade, v. 19, n. 3, p. 592–604, 2010. Saúde e Sociedade. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902010000300011&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    SILVA, S.F. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil) da Ciência & Saúde Coletiva, 16(6):2753-2762,Rio de Janeiro, 2011

    SOUZA, L. G. S.; MENANDRO, M. C. S. Primary health care: guidelines, challenges and recommendations. A review of international literature. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 21, n. 2, p. 517–539. Instituto de Medicina Social da UERJ. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312011000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    VIANA, A. L. d’ Á. ; ROCHA, J. S. Y.; ELIAS, P. E.; IBAÑEZ, N.; BOUSQUAT, A. Atenção básica e dinâmica urbana nos grandes municípios paulistas, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, p. s79–s90, 2008. Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2008001300013&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 8/5/2014.

    VIANA, A. L. d’ Á. ;ROCHA, J.S.Y.; EKIAS, P.E. ; IBAÑEZ, N. ; NOVAES, M.H.D. Modelos de atenção básica nos grandes municípios paulistas: efetividade, eficácia, sustentabilidade e governabilidade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n.3, p. 577-603, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232006000300009

     


    Internacionais


    KRINGOS, D. S.; PLANOLOGIE, U. G. D. S. G. EN. The strength of primary care in Europe. , 12. Nov. 2012. Utrecht University. Disponível em: <http://dspace.library.uu.nl/handle/1874/256373>. Acesso em: 11/6/2014.

    LABONTÉ, R.; SANDERS, D.; BAUM, F.; et al. Aplicación, efectividad y contexto político de la atención primaria integral de salud: resultados preliminares de una revisión de la literatura mundial. Revista Gerencia y Políticas de Salud, v. 8, n. 16, p. 14–29. Pontificia Universidad Javeriana. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1657-7027200900010

    LÉVESQUE, J.-F.; HAGGERTY, J.; BENINGUISSÉ, G.; et al. Mapping the coverage of attributes in validated instruments that evaluate primary healthcare from the patient perspective. BMC family practice, v. 13, n. 1, p. 20, 2012. Disponível em: <http://www.biomedcentral.com/1471-2296/13/20>. Acesso em: 11/6/2014.

    MARSHALL, M.; KLAZINGA, N.; LEATHERMAN, S.; et al. OECD Health Care Quality Indicator Project. The expert panel on primary care prevention and health promotion. International journal for quality in health care : journal of the International Society for Quality in Health Care / ISQua, v. 18 Suppl 1, n. suppl_1, p. 21–5, 2006. Disponível em: <http://intqhc.oxfordjournals.org/content/18/suppl_1/21.full>. Acesso em: 8/5/2014.

    MARTIN-MISENER, R.; VALAITIS, R.; WONG, S. T.; et al. A scoping literature review of collaboration between primary care and public health. Primary health care research & development, v. 13, n. 4, p. 327–46, 2012. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22353204>. Acesso em: 8/5/2014.

    OPAS. A atenção à saúde coordenada pela APS: construindo as redes de atenção no SUS. Contribuições para o debate. Organização Pan-Americana da Saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 113 p.: il. (NAVEGADORSUS, 2). Disponível em: http://apsredes.org/site2012/wp-content/uploads/2012/03/aps_verde_new.pdf. Acesso em mar 2014.

    RAMÍREZ, N. A.; RUIZ, J. P.; ROMERO, R. V.; LABONTÉ, R. Comprehensive Primary Health Care in South America: contexts, achievements and policy implications. Cadernos de Saúde Pública, v. 27, n. 10, p. 1875–1890, 2011. Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011001000002&lng=en&nrm=iso&tlng=en>. Acesso em: 8/5/2014.

    SCHÄFER, W. L. A.; BOERMA, W. G. W.; KRINGOS, D. S.; et al. QUALICOPC, a multi-country study evaluating quality, costs and equity in primary care. BMC family practice, v. 12, n. 1, p. 115, 2011. Disponível em: <http://www.biomedcentral.com/1471-2296/12/115>. Acesso em: 6/5/2014.

    STARFIELD, B.; SHI, L.; MACINKO, J. Contribution of primary care to health systems and health. The Milbank quarterly, v. 83, n. 3, p. 457–502, 2005. Disponível em: <http://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=2690145&tool=pmcentrez&rendertype=abstract>. Acesso em: 3/5/2014.

    UNION, E. The management of health systems in the EU Member States – The role of local and regional authorities . 2012.

    WENSING, M.; VEDSTED, P.; KERSNIK, J.; et al. Patient satisfaction with availability of general practice: an international comparison. International journal for quality in health care : journal of the International Society for Quality in Health Care / ISQua, v. 14, n. 2, p. 111–8, 2002. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11954680>. Acesso em: 8/5/2014.

    WHO. Atenção primária à saúde: mais necessária que nunca. p.(introducción + capítulos 2 e 3), 2008.


  • Nacionais


    ARRETCHE, M. Políticas sociais no Brasil: descentralização em um Estado federativo. Políticas sociais no Brasil: descentralização em um Estado federativo.Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo , v. 14, n. 40, jun. 1999. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69091999000200009&lng=pt&nrm=iso

    DOURADO, D.A.; ELIAS, P.E.M. Regionalização e dinâmica política do federalismo sanitário brasileiro. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 1, fev. 2011. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102011000100023&lng=pt&nrm=iso>

    GUIMARÃES, R. B. Regiões de saúde e escalas geográficas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, ago. 2005. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000400004&lng=pt&nrm=iso>

    NORONHA, J.C de. Cobertura universal de saúde : como misturar conceitos, confundir objetivos , abandonar princípios. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n.5, maio 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000500003&lng=pt&nrm=iso>

    MENDES, E.V. As redes de atenção à saúde. Brasília. Organização Pan-Americana da Saúde; 2011. 549p.

    OLIVEIRA, E.X.G. de; CARVALHO, M.S,; TRAVASSOS, C. Territórios do Sistema Único de Saúde: mapeamento das redes de atenção hospitalar. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, Apr. 2004. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2004000200006&lng=en&nrm=iso>

    OLIVEIRA, E.X.G. de; PINHEIRO, R.J.; MELO, E.C.P.; CARVALHO, M.S. Condicionantes socioeconômicos e geográficos do acesso à mamografia no Brasil, 2003-2008. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 9, set. 2011. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011001000002&lng=pt&nrm=iso>

    REIS, A.T. dos, OLIVEIRA, P.T. de; SELLERA, P.E. Sistema de Avaliação para a Qualificação do Sistema Único de Saúde (SUS). RECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, v.6, n.2, Sup., Ago., 2012. Disponível em <http://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/viewArticle/622/1089>

    TRAVASSOS, C.; MARTINS, M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 20, supl.2, 2004. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2004000800014&lng=pt&nrm=iso>

    TRAVASSOS, C.; OLIVEIRA, E. X. G.; VIACAVA, F. Desigualdades geográficas e sociais no acesso aos serviços de saúde no Brasil: 1998 e 2003. Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n.4, p. 975-986, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232006000400019&lng=en&nrm=iso . Acesso em mar 2014.

    VIACAVA, F.; LAGUARDIA, J.; UGÁ, M.A.; PORTO, S. PROADESS – Avaliação de Desempenho do Sistema de Saúde Brasileiro: Indicadores para Monitoramento. Relatório. Rio de Janeiro, abril de 2011.

    VUORI, H.A. Qualidade da Saúde. Divulgação em Saúde para Debate. Londrina, n. 3, p.17-24, 1991.


    Internacionais


    DONABEDIAN, A. The seven pillars of quality. Archives of Pathology & Laboratory Medicine, Chicago, v. 114, n. 11, p.1115-1118, 1990.

    JACOBS, B; IR, P.; BIGDELI, M.; ANNEAR, P.L.; VAN DAMME, W. Addressing access barriers to health services: an analytical framework for selecting appropriate interventions in low-income Asian countries. Health Policy Plan. 2012 Jul;27(4):288-300 Disponível em <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21565939>

    MCINTYRE, D.I.; THEIDE, M.; BIRCH, S. Access as a policy-relevant concept in low- and middle-income countries. Health Economics Policy and Law (2009), 4:179-193


  • Nacionais


    ALBUQUERQUE, E.M.; CASSIOLATO, J.E. As especificidades do sistema de inovação do setor saúde: uma resenha da literatura como introdução a uma discussão sobre o caso brasileiro. Belo Horizonte: Fesbe, 2000.

    ANDRADE, O.M.A. et al. (Orgs.). Conhecimento e inovação em saúde: experiências do Brasil e do Canadá. Campinas: Saberes Editora, 2012.

    BARBOSA, Pedro R.; GADELHA, Carlos A. G. O papel dos hospitais na dinâmica de inovação em saúde. Rev. Saúde Pública, vol.46, suppl.1, p.68-75, 2012.

    BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Direito Sanitário com enfoque na vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

    BRASIL. Ministério da Saúde. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Ferramentas para a Gestão do SUS. Série A – Normas e Manuais Técnicos. Brasília: MS, 2009.

    CAPONI, S. et al. (Orgs.). Medicalização da vida: ética, saúde pública e indústria farmacêutica. Palhoça/SC: Ed. Unisul, 2010.

    CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Inovação e sistemas de inovação: relevância para a saúde. RECIIS – R. Eletr. De Com. Inf. Inov. Saúde, vol.1, n.1, p.153-162, 2007.

    CHIEFFI, A.L.; BARATA, R.B. Judicialização da política pública de assistência farmacêutica e eqüidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol.25, n.8, p.1839-1849, 2009.

    COLLINS, H.; PINCH, T. O golem à solta: o que você deveria saber sobre tecnologia. Belo Horizonte: Fabrefactum Editora, 2010

    CONASS – Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Ciência e Tecnologia em Saúde. Brasília: CONASS. (Coleção Para Entender a Gstão do SUS 2011, vol.11), 2011.

    DRUMMOND M. What are the HTA processes in the UK? Disponível em: www.medicine.ox.ac.uk/bandolier/painres/download/whatis/What_are_HTA_proc.pdf , 2009.

    ELIAS, A.N. Direito sanitário: autonomia e princípios. Revista de Direito Sanitário, São Paulo, v.9, n.2 p.47-64, 2008.

    ELIAS, F. T. S. A importância da avaliação de tecnologias para o Sistema Único de Saúde. BIS – Boletim do Instituto de Saúde, vol.14, n.2, p.143-150, 2013.

    FERRAZ, O.L.M.; VIEIRA, F.S. Direito à saúde, recursos escassos e eqüidade: os riscos da interpretação judicial dominante. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol.52, n.1, pp.223 a 251, 2009.

    FLEURY, S. A judicialização pode salvar o SUS. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 93, p. 159-162, 2012.

    GADELHA, C.A.G. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, vol.8, n.2, p.521-535, 2003.

    GONTIJO, G.D. A judicialização do direito à saúde. Rev Med Minas Gerais, vol.20, n.4, p.606-611, 2010.

    NITA, M.E. et al. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Porto Alegre: Artmed, 2010.

    NOVAES, H. M. D.; ELIAS, F. T. S. Uso da avaliação de tecnologias em saúde em processos de análise para incorporação de tecnologias no Sistema Único de Saúde no Ministério da Saúde. Cad. Saúde Pública, 2013, vol.29, suppl.1, p.s7-s16

    PEPE, V.L.E. et al. A judicialização da saúde e os novos desafios da gestão da assistência farmacêutica. Ciência & Saúde Coletiva, vol.15, n.5, p.2405-2414, 2010.

    PREMEBIDA, A.; NEVES, F. M.; ALMEIDA, J. Estudos sociais em ciência e tecnologia e suas distintas abordagens. Sociologias, Porto Alegre ,  v.13, n. 26, 2011 .

    SCHEFFER, M. Coquetel – A incrível história dos antirretrovirais e do tratamento da Aids no Brasil. São Paulo: Hucitec / Sobravime, 2012.

    SILVA, H. P. O jogo da incorporação de equipamentos médicos no Brasil. In: VIANA, A.L.; IBAÑEZ, N.; BOUSQUAT, A. Saúde, desenvolvimento, ciência, tecnologia e inovação. São Paulo: Hucitec, p.319-357, 2012.

    SILVA, L.K. Avaliação tecnológica e análise custo-efetividade em saúde: a incorporação de tecnologias e a produção de diretrizes clínicas para o SUS. Ciência & Saúde Coletiva, vol.8, n.2, p.501-520, 2003.

    SOUZA, L.E.P.F.; CARDOSO, M.O. Utilização do conhecimento científico na gestão da saúde. In: ANDRADE, L. O. M. et al. (Orgs.). Conhecimento e inovação em saúde: experiências do Brasil e do Canadá. Campinas: Saberes, p.103-149, 2012.

    TRINDADE, E. Desenvolvimento da avaliação de tecnologias de saúde no mundo. BIS – Boletim do Instituto de Saúde, vol.14, n.2, p.135-141, 2013

    TRINDADE, E. et al. Rede Paulista de Avaliação de Tecnologias de Saúde: primeiros passos. BIS – Boletim do Instituto de Saúde, vol.14, n.2, p.151-158, 2013

    VENTURA, M. et al. Judicialização da saúde, acesso à justiça e a efetividade do direito à saúde. Physis, vol.20, n.1, pp. 77-100, 2010

    VIANA, A.L.D.; IBAÑEZ, N.; BOUSQUAT, A. (Orgs.). Saúde, desenvolvimento, ciência, tecnologia e inovação. São Paulo: Hucitex / Cealag, 2012.

    VIANA, A.L.D.; NUNES, A.A.; SILVA, H.P. O complexo produtivo da saúde, desenvolvimento e incorporação de tecnologias. In: IBAÑES, Nelson et al. (Orgs.). Política e gestão pública em saúde. São Paulo: Hucitec, Cealag, p.75-101, 2010.

    VIDAL, Á.T. et al. Monitoramento do horizonte tecnológico em saúde. In: ANDRADE, Luiz Odorico M. et al. (Orgs.). Conhecimento e inovação em saúde: experiências do Brasil e do Canadá. Campinas: Saberes Editora, p.431-460, 2012.

    VIEIRA, F.S.; ZUCCHI, P. Distorções causadas pelas ações judiciais à política de medicamentos no Brasil. Revista de Saúde Pública, vol. 41, n. 2, p. 214-22, 2007.


    Internacionais


    BANTA, D. What is technology assessment? Int J Technol Assess Health Care, v.25, Suppl 1, p.7-9, 2009.

    BANTA, D.; ALMEIDA, R.T. The development of health technology assessment in Brazil. Int J Technol Assess Health Care, vol.25, Suppl 1, p.255-259, 2009.

    BATTISTA, R.; HODGE, M. J. The “natural history” of health technology assessment. International Journal of Technology Assessment in Health Care, vol.25, Supplement 1, p.281-284, 2009.

    BECKERMAN, R.; CHOWDHURY, C. A.; PARK, S. (2013), Guardians of opportunity: emerging health technology assessment in Brazil, South Korea and Taiwan. Journal of Pharmaceutical Health Services Research, n.4, p. 125–129, 2013.

    BRUUN, H.; HUKKINEN, J. Crossing boundaries: An integrative framework for studying technological change. Social Studies of Science, vol.33, n.1, p.95-116, 2003.

    CAIN M, Mittman R. Diffusion of innovation in healthcare. 2002. Disponível em URL http://www.chcf.org/~/media/MEDIA%20LIBRARY%20Files/PDF/D/PDF%20DiffusionofInnovation.pdf

    GELIJNS, AC.; ROSENBERG, N. The changing nature of medical technology development. In: GELIJNS, A.C.; ROSENBERG, N. (Editors). Sources of medical technology: universities and industry. Washington, D.C.: National Academy Press. (p.3-14), 1995.

    GENENZ, K; DOMINGUEZ, A; JANUARIO, B. Unlocking the key to public funding in Brazil. Pharmaceutical Executive. Disponível em URL http://www.pharmexec.com/pharmexec/article/articleDetail.jsp?id=816162&sk&date&pageID=4

    GERTNER A. Health technology assessment and incorporation in Brazil: critical reflections on an emerging public-private field. J Bras Econ Saúde, vol.2, n.1, p.57-59, 2009.

    GOODMAN, C. S. HTA 101: Introduction to health technology assessment. US International Library of Medicine. Disponível em URL: http://www.nlm.nih.gov/nichsr/hta101/ta10103.html

    GUIMARAES, R. et al. Defining and Implementing a National Policy for Science, Technology and Innovation inHealth: lessons from the Brazilian Experience. Cadernos de Saúde Pública (FIOCRUZ), v. 22, p. 1775-1785, 2006.

    KUCHENBECKER, R.; POLANCZYK C. A. Institutionalizing Health Technology Assessment in Brazil: Challenges Ahead.Value in Health Regional Issues, Vol. 1, Issue 2, p.257–261, December 2012.

    GRAHAM, I.D. et al. Lost In knowledge translation: Time for a map? The Journal of Continuing Education in the Health Professions, v.26, n.1, p.13-24, 2006.

    HICKS, D.; KATZ, J. (1996). Hospitals: the hidden research system. Science and Public Policy, vol.23, n.5, p.297-304, 1996.

    JONSSON, E.; BANTA, D. Management of health technologies: An international view. BMJ, n.319, p.1293-1295, 1999.

    LEHOUX, Pascale. The problem of health technology: Policy implications for modern health care systems. NewYork: Routledge, 2006.

    MACKENZIE, D.; WAJCMAN, J. (Eds.) The social shaping of technology. Filadélfia: Open University Press, 1999.

    MARTELLI F et al. Health technology assessment agencies: an international overview of organizational aspects. International Journal of Technology Assessment in Health Care, v.23, p.414-424, 2007.

    MURTAGH, J.; FOERSTER, V. Managing technology diffusion. Ontario: CADTH, Policy Forum, 2009.

    OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. Health technology and decision making. The OECD Health Project, 2005.

    OLIVER, A.; MOSSIALOS, E,; ROBINSON, R. Health technology assessment and its influence on health-care priority setting. Intl. J. Of Technology Assessment In Health Care, vol.20, n.1, p.1–10, 2010.

    ROGERS E. M. Diffusion of innovations. 4th Edition. New York: The Free Press, 1995.


  • Nacionais


    BATISTA, KBC; GONÇALVES, OSJ. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde e Sociedade, [S.l.], v. 20, n. 4, p. 884-899, jan. 2011. ISSN 1984-0470. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/view/29725>. Acesso em: 28 Jul. 2014. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000400007

    BELISÁRIO, AS et al. Recursos humanos e trabalho em saúde: os desafios de uma agenda de pesquisa. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(X):105-113, 2007. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/pdf/%5b2007%5drecursos_humanos_trabalho_saude.pdfAcesso em 25 de julho de 2014.

    BONAMIGO, TP. Excesso de médicos na região sul do Brasil. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 55 (2): 160-163, abr.-jun. 2011. Disponível em: http://www.amrigs.com.br/revista/55-02/016-PG_160-163_802_excesso%20de%20medicos….pdfAcesso em 25 de julho de 2014.

    CAMPOS, GWS. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 4(2):393-403, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v4n2/7121.pdfAcesso em 25 de julho de 2014.

    CARVALHO, M; SANTOS, NR; CAMPOS, GWS. A construção do SUS e o planejamento da força de trabalho em saúde no Brasil: breve trajetória histórica. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 37, n. 98, Set.  2013 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042013000300002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 maio 2014.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000300002

    DIAS, HS; LIMA, LD; TEIXEIRA, M. A trajetória da política nacional de reorientação da formação profissional em saúde no SUS. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro,  v. 18, n. 6, Jun. 2013 .   Disponivel em <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013001400013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 maio 2014.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001400013.

    DITTERICH, RG; MOYSES, ST; MOYSES, SJ. O uso de contratos de gestão e incentivos profissionais no setor público. Cad. Sau. Pub. Rio de Janeiro: 28(4): 615-627, abr. 2012. Disponível em: http://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/185Acesso em 25 de julho de 2014.

    GONÇALVES, C. R.; CRUZ, M. T. DA; OLIVEIRA, M. P.; et al. Recursos humanos: fator crítico para as redes de atenção à saúde. Saúde Debate, v. 38, n. 100, p. 26–34, 2014.

    HADDAD, AE  et al. Formação de Profissionais de Saúde no Brasil: UMA ANÁLISE nenhuma PERÍODO de 1991 a 2008. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v 44, n. 3 de junho de 2010. Disponível a partir do <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102010000300001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 de maio de 2014. Epub 21 mai 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000015.

    LOPES, EZ; BOUSQUAT, A. Fixação de enfermeiras e médicos na Estratégia de Saúde da Família, município de Praia Grande, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, [S.l.], v. 6, n. 19, p. 118-124, abr. 2011. ISSN 2179-7994. Disponível em: <http://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/185>. Acesso em: 28 Jul. 2014. doi: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc6(19)185.

    MAGNAGO, C et al. The influence of family health strategy on health indicators in the municipalities of Rio de Janeiro, Brazil. Online Brazilian Journal of Nursing, Niterói (RJ), v. 10, n.1, p. , May 2011. Available from: <http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/j.1676-4285.2011.3211.1>. Access: 2014 Jul 28. doi:http://dx.doi.org/10.5935/1676-4285.20113211.

    MARSIGLIA, RMG. Perfil dos trabalhadores da atenção básica em saúde no município de São Paulo: região norte e central da cidade. Saúde e Sociedade, [S.l.], v. 20, n. 4, p. 900-911, jan. 2011. ISSN 1984-0470. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/view/29726>. Acesso em: 28 Jul. 2014. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0104-1290201100040000

    MEDEIROS, CRG et al. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 15(Supl. 1):1521-1531, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15s1/064.pdfAcesso em 25 de julho de 2014.

    MENDES, IAC; MARZIALE, MHP. Sistemas de saúde em busca de excelência: os recursos humanos em foco. Ver. Latino-am. Enfermagem maio-junho; 14(3):303-4, 2006.

    MENDONÇA, MHM; MARTIN, MIC; GIOVANELLA, L; SCHOREL, S. Desafio para gestão do trabalho a partir de experiência exitosa da expansão da Estratégia de Saúde da Família. Ciência e Saúde Coletiva, 15(5): 2355-2365, 2010. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v15n5/v15n5a11.pdfAcesso em 25 de julho de 2014.

    MORICI, MC; BARBOSA, ACQ. A Gestão de Recursos Humanos em hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS). Rev. Adm. Pública — Rio de Janeiro 47(1):205-225, jan./fev. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v47n1/v47n1a09.pdfAcesso em 25 de julho de 2014.

    NEY, MS; RODRIGUES, PHA. Fatores Críticos de para a Fixação fazer Médico na Estratégia Saúde da Família. Physis, Rio de Janeiro, v 22, n. 4, 2012. Disponível a partir do <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312012000400003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 de maio de 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312012000400003.

    PEDUZZI,M. Trabalho e educação na saúde: ampliação da abordagem de recursos humanos. Ciência & Saúde Coletiva, 18(6):1535-1543, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n6/05.pdf. Acesso em 25 de julho de 2014.

    PIERANTONI, CR. A reforma do Estado, da saúde e recursos humanos: limites e possibilidades. Ciência e Saúde Coletiva, 6(2): 341-360, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v6n2/7007.pdfAcesso em 25 de julho de 2014.

    REIS, CG; CRUZ,MT; MORAIS, OMP;DRUMOND,  AJ; SOUTO,  KM; QUINTÃO, CAR. Recursos humanos: Fator Crítico parágrafo como Redes de Atenção à Saúde.Debate Saúde [periódico na Internet]. 2014 Mar [citado 2014 28 de julho]; 38 (100): 26-34. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042014000100026&lng=en. http://dx.doi.org/10.5935/0103-104.20140012.

    RIGOLI, F;  ROCHA, CF; FOSTER, AA. Desafios Críticos dos Recursos Humanos em Saúde: UMA Visão regional, Rev. Latino-Am.Enfermagem, Ribeirão Preto, v 14, n. 1, Fev. 2006. Disponível a partir do <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692006000100002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 de maio de 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000100002

    SCHRAIBER, LB. Necessidades de saúde, políticas públicas e gênero: a perspectiva das práticas profissionais. Ciência e Saúde Coletiva, 17(10): 2635-2644, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/13.pdf Acesso em 25 de julho de 2014.

    SILVEIRA, DS et al. Gestão do trabalho, da educação, da informação e comunicação na atenção básica à saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(9):1714-1726, set, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v26n9/05.pdf Acesso em 25 de julho de 2014.

    VIEIRA, M. Para além da comunidade: trabalho e qualificação dos agentes comunitários de saúde. VIEIRA, M; DURÃO, AV; LOPES, MR (orgs.) Rio de Janeiro: EPSJV, 2011. http://www.observatorio.epsjv.fiocruz.br/upload/Publicacao/pub6.pdf#page=79

    WILLIAMS, MCRP; ROCHA, SMM; FERRAUDO, AS;  MORRAYE, MA. Recursos humanos em saúde no município de Poços de Caldas, MG. Investigação. 2010;10:60-8. Disponível em: http://publicacoes.unifran.br/index.php/investigacao/article/viewArticle/308. Acesso: 24 de julho de 2014.


    Internacionais



  • Nacionais


    ALMEIDA, E. S. ; CASTRO, C.G.J. ; VIEIRA, C.A.L. Distritos sanitários: concepção e organização. Para gestores municipais de serviços de saúde.. 2ª. ed. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, 2002. 33p.

    ALMEIDA, E. S. ; MENDES, Heloisa Wey Berti . Regionalização da assistência à saúde: eqüidade e integralidade na perspectiva de gestores. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 29, n.1, p. 26-34, 2005.

    BEZERRA, L.C.A.; CAZARIN, G.; ALVES, C.K.A. Modelagem de Programas: da Teoria à Operacionalização. In: Samico, I, Felisberto, E., Figueiró A.C., Frias, P.G (Org.). Avaliação em Saúde: Bases conceituais e operacionais. Recife, Ed.Medbook 2009.

    KUSCHNIR, R.; CHORNY, A.H. Redes de atenção à saúde: contextualizando o debate. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n.5, p. 2307-2316, 2010. Disponível em:http://observasaude.fundap.sp.gov.br/pacto/Redesatencao/Acervo/v15n5a06.pdf. Acesso em mar 2014.

    MEDINA, M.G.; SILVA, G.A.P; AQUINO, R.; HARTZ, Z.M.A. Uso de modelos teóricos na Avaliação em Saúde: aspectos conceituais e operacionais. Disponível em:http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=422291&indexSearch=ID

    MENDES, E. V. A Modelagem das Redes de Atenção à Saúde. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, 2007. Disponível em:http://www.saude.es.gov.br/download/A_MODELAGEM_DAS_REDES_DE_ATENCAO_A_SAUDE.pdf. Acesso em mar 2014.

    MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n.5, p. 2297-2305, 2010. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000500005. Acesso e mar 2014.

    Organização Pan Americana de Saúde. Redes e Regionalização em Saúde no Brasil e na Itália. Lições aprendidas e contibuições para o debate. NAVEGADORSUS. Série técnica para os gestores do SUS sobre redes integradas de atenção à saúde baseadas na APS, n. 4. Brasília-DF, 2011.

    IBAÑEZ, N.  Rede de atenção às urgências e emergências: Avaliação da implantação e desempenho das Unidades de Pronto Atendimento (UPA)

    SOARES, G.; SAMICO, I.; Dubeux, L.S.; FELISBERTO, E. Redes de atenção às urgências e emergências: pré-avaliação das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em uma região metropolitana do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil (Impresso), v. 12, p. 445-458, 2012.


    Internacionais


    Alberta Health Sistems. All Together Now: A Conceptual Exploration of Integrated Care. Healthcare Quarterly, v. 13 (Special Issue), October 2009. Disponível em: http://www.albertahealthservices.ca/publications/ahs-pub-hc-quarterly.pdf

    Artaza-Barrios O., Toro-Devia O., Fuentes-García A., Alarcón-Hein A., Arteaga-Herrera O. Governance of health care networks: assessment of the health care integrating councils in the context of the health sector reform in Chile. Salud pública Méx [serial on the Internet]. 2013 Dec [cited 2014 July 20] ; 55( 6 ): 650-658. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-36342013001000014&lng=en.

    Davies, M. Performance Measurement in Integrated Health Systems. Canadian College of Health Service Executive as a requirement for Fellowship, 2002.

    European Observatory on Health Systems and Policies Series. Decentralization in Health Care: Strategies and outcomes. Published by Open University Press, 2007. Disponível em: http://www.euro.who.int/en/about-us/partners/observatory/studies/decentralization-in-health-care.-strategies-and-outcomes.

    Fischer, F.; Hoff mann, K.; Mönter, N.; Walle, N.; Beneke, R.; Negenborn, S.;  Weinmann, S.; Willich, S.N.; Berghöfer, A. Cost Evaluation of a Model for Integrated Care of Seriously Mentally Ill Patients. Gesundheitswesen, v. 76, n.2, p. 86-95, 2014. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23737155

    Jacobs, B.; Bigdeli, M.; Annear, P.L., Damme, W.V. Addressing access barriers to health services: an analytical framework for selecting appropriate interventions in low-income Asian countries. Health Policy and Planning, v.11, p.1-13, 2013.

    Leatt, P.; Pink, G.H.; Guerriere, M. Towards a Canadian model of integrated healthcare. Healthc Pap. v.1; n. 2, p. 13-35. Disponível em:  http://www.longwoods.com/content/17216

    Mercer, S.L, Goel V. Program Evaluation in the absence of goals: a comprehensive approach to the evaluation of a population based breast cancer screening program. The Canadian Journal of Program Evaluation, v.9, n. 1, p. 97–112, 1994.

    McLaughlin, J.A; Jordan G.B. Logic models] a tool for telling your program|s performance story. Evaluation and Program Planning 22 (1999): 65-72, 1998.

    Palm, W.; Glinos, I.; Rechel, B.; Garel, P.; Busse, R.; Figueras, J. Building European Reference Networks in Health Care: Exploring concepts and national practices in the European Union. The European Observatory on Health Systems and Policies. Disponível em: http://www.euro.who.int/en/about-us/partners/observatory/studies/building-european-reference-networks-in-health-care.-exploring-concepts-and-national-practices-in-the-european-union.

    Peixoto, V.R.;Caldas, C. P.; Motta, L. B. da; Lima K. C. de; Siqueira, R. C.; Rodrigues R. T. et al . Integration and continuity of Care in health care network models for frail older adults. Rev. Saúde Pública [serial on the Internet]. 2014 Apr [cited 2014 July 20] ; 48( 2 ). Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102014000200357&lng=en.

    Nolte, E.; Pitchforth, E. What is the evidence on the economic impacts of integrated care? Policy Summary 11. The European Observatory on Health Systems and Policies. Disponível em: http://www.euro.who.int/en/about-us/partners/observatory/news/news/2014/06/what-is-the-evidence-on-the-economic-impacts-of-integrated-care.

    Ocampo-Rodríguez, María Victoria, Betancourt-Urrutia, Víctor Fernando, Montoya-Rojas, Jennifer Paola, & Bautista-Botton, Diana Carolina. Sistemas y modelos de salud, su incidencia en las redes integradas de servicios de salud. Revista Gerencia y Políticas de Salud, 12(24), 114-129. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1657-70272013000100008&lng=en&tlng=es

    OPAS. Redes Integradas de Servicios de Salud: conceptos, opciones de política y hoja de ruta para su implementación en las Américas. Washington, DC: Opas, 2010. Disponível em: http://new.paho.org/hq/dmdocuments/2010/APS-Redes_Integradas_Servicios_Salud-Conceptos.pdf. Acesso em mar 2014.

    Organization Pan Americana de La Salud. Informe Dawson: sobre El futuro de los servicios medicos y afines, 1964.

    Pan American Health Organization. Integrated Health Service Delivery Networks. Concepts, Policty Options and a Road Map for implementation in the Americas. [series] Renewing Primary Health Care in the Americas, n. 4, 2011. Disponível em: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=5520:integrated-health-service-delivery-networks-concepts-policy-options-and-a-road-map-for-implementation-in-the-americas&Itemid=3553&lang=pt

    Pawson, P. Evidence-based Policy: The Promise of ‘Realist Synthesis”. Evaluation, v.8, n.3, p. 340-358, 2002.

    Pollitt C. Evaluation: The logics of performance management. SAGE, 2013. 19(4) 346–363.  Disponível em:http://evi.sagepub.com/content/19/4/346.  Acesso em julh 2014.

    Ramagem, C.; Soledad,  U.;Tephany, G.; Cruz, M.; Fabrega, R.; Holder, R.; Montenegro H. Combating Health Care Fragmentation through Integrated Health Service Delivery Networks in the Americas: Lessons Learned. Journal of Integrated Care, v. 19, n.5,  2011. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3184820/

    Renger, R.; Titcomb, A. A Three-Step Approach to Teaching Logic Models. American Journal of Evaluation, v. 23, n. 4,p. 493–503, 2002.

    Streibelt M.; Bethge, M. Patient Preferences for the Arrangement of Integrated Care Programmes: A Discrete Choice Experiment. Gesundheitsökonomie & Qualitätsmanagement, v. 14, n. 6, p. 288-95, 2009. Disponível em: http://cat.inist.fr/?aModele=afficheN&cpsidt=22164936

    The Health Communication Unit at the Centre for Health Promotion. Université de Toronto. Introduction a la Planification de Programmes de Promotion de la Sante. Disponível em:http://www.thcu.ca/infoandresources/publications/Fr.Planning.HighQualityDesktop.Oct17.2002.pdf. Acesso em julh 2014

    Thomas, T.H.W.; Allen, Ma; Blossom, Y.J. LinIntegration and the performance of healthcare networks: do integration strategies enhance efficiency, profitability, and image? Int J Integr Care, v. 1, n. 39, 2001.Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1525337/

    W.K. Kellogg Foundation. Evaluation Handbook Philosophy and Expectations. Michigan: Battle Greek, 1998. Disponível em:http://www.wkkf.org/~/media/62EF77BD5792454B807085B1AD044FE7.ashx. Acesso em julh 2014


  • Nacionais


    ACIOLI, S. Redes sociais e teoria social: revendo os fundamentos do conceito. Informação & Informação, v. 12, 2007. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/viewFile/1784/1520. Acesso em mar 2014.

    ANDRADE, L.O.M. Inteligência de Governança para apoio à Tomada de Decisão. Ciência e Saúde Coletiva, 17:829-832, 2012. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v17n4/v17n4a03.pdf. Acesso em abril de 2014.

    ARAÚJO, V.C. A conceituação de governabilidade e governança, da sua relação entre si e com o conjunto da reforma do Estado e do seu aparelho. (Texto para discussão, 45). Brasília: Enap, 2002. Disponível em: www.enap.gov.br/index.php?option=content&task=view&id=259. Acesso em mar 2014.

    ARRETCHE, M. Federalismo e igualdade territorial: uma contradição em termos? Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 53, no 3, 2010, pp. 587 a 620.

    BRANDÃO, Carlos. Pacto federativo, integração nacional e desenvolvimento regional. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013. Disponível em: http://www.fpabramo.org.br/forum2013/wp-content/uploads/2014/03/mioloPactoFCalta.pdf

    CALMON, P.; COSTA, A.T.M. Redes e governança das políticas públicas.  Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, 1: 1-29, 2013.

    CASTELLS, M.; CARDOSO, G. (Orgs.). A Sociedade em Rede: do conhecimento à ação política; Conferência. Belém (Por): Imprensa Nacional, 2005. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/a_sociedade_em_rede__do_conhecimento_a_acao_politica.pdf. Acesso em mar 2014.

    CARNEIRO, P. S.; FOSTER,A.C.; FERREIRA, J.B.B.; A dinâmica de três Colegiados de Gestão Regional: um olhar sobre a regionalização e pactuação, – Saúde em Debate, Rio de Janeiro, vol 38, no 100, pp 57-68, 2014.

    CAVALEIRO, M.E.; JUCHEM, D.M. Políticas públicas: uma análise mais apurada sobre governança e governabilidade. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, ano I, n. 1, 2009. Disponível em:http://www.rbhcs.com/index_arquivos/Artigo. Pol%C3%ADticas%20P%C3%BAblicas%20Uma%20 analise%20mais%20apurada%20sobre%20Governan%C3%A7a%20e%20Governabilidade.pdf . Acesso em mar 2014.

    DUARTE, L.S.; CONTEL, F.B.; BALBIM, R. Regionalização da saúde e ordenamento territorial: análises exploratórias de convergências. Brasil em Desenvolvimento. IPEA, Brasília-SF, 2013.

    FIRMINO, S. Os Novos Arranjos Institucionais na Governança Pública: O Caso das Parcerias Público-Privadas. Estudo comparativo entre o Sul e o Norte da Europa. Revista da Associação Portuguesa de Sociologia, on line, n. 2, 2011. Disponível em: http://revista.aps.pt/cms/files/artigos_pdf/ART4dc40f3ee8b26.pdf. Acesso em mar 2014.

    FLEURY, S. Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública. Revista Administração em Diálogo (RAD), v. 7, n. 1, 2008. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/rad/article/view/671. Acesso em mar 2014.

    FLEURY, S. Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública. Revista Administração em Diálogo (RAD), v. 7, n. 1, 2008. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/rad/article/view/671. Acesso em mar 2014.

    FLEURY, S.; Ouverney, A.M. Gestão de Redes: A Estratégia de Regionalização da Política de Saúde. Rio de Janeiro: Editora FGV; 2007. 204 p.

    FLEURY, S.; Ouverney, A.S.M.; Kronemberger, T.S.; Zani, F,B. Governança local no sistema descentralizado de saúde no Brasil. Rev Panam Salud Publ., vol. 28, n. 6, p. 446–55, 2010. Disponível em: www.scielosp.org/pdf/rpsp/v28n6/v28n6a06.pdf‎ . Acesso em mar 2014.

    FRANÇA, L.M.; Mantovaneli, J.r. O.; Sampaio, C.A.C. Governança para a territorialidade e sustentabilidade: a construção do senso de regionalidade. Saúde e sociedade, vol. 21, n. 3, p. 111-27, 2012. Disponível em:www.scielo.br/pdf/sausoc/v21s3/10.pdf. Acesso em mar 2014.

    GOMIDES, J.E. O surgimento da expressão “governance”, governança e governança ambiental: um resgate histórico. Revista de Ciências Gerenciais, vol. XIII, n. 18, 2009. Disponível em:www.sare.anhanguera.com/index.php/rcger/article/download/1253/865. Acesso em mar 2014.

    HUFTY, M.; BÁSCOLO, E.; BAZZANI, R. Gobernanza en salud: un aporte conceptual y analítico para la investigación. Cad. saúde pública, v. 22, n. supl, p. S35–S45, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v22s0/03.pdf. Acesso em mar 2014.

    INOJOSA, R. Redes de compromisso social. Revista de Administração Pública, v.33, n.5, 1999. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7628/6155. Acesso em mar 2014.

    INOJOSA, R.; JUNQUEIRA, L A. P. Práticas e Saberes: desafios e inovações em gestão social. Organizações & Sociedade, v.15, n.45, Abril/Junho, 2008. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/316/praticas-e-saberes–desafios-e-inovacoes-em-ges. Acesso em mar 2014.

    LIMA, L. et al. Regionalização e acesso à saúde nos estados brasileiros: condicionantes históricos e político-institucionais. Ciênc. saúde coletiva, vol.17, n.11, p. 2881-2892, 2012a. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232012001100005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em mar 2014.

    LIMA, L.D.; MACHADO, C.V.; ALBUQUERQUE, M.V.; IOZZI, F.L. A regionalização da saúde no Brasil. In: GIOVANELLA, L; SCOREL, S. (orgs.). Política e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, Cebes, 2012b.

    LIMA, L.D.; QUEIROZ, L.; MACHADO, C.V.; VIANA, A.L.D. Descentralização e regionalização: dinâmica e condicionantes da implantação do Pacto pela Saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n.7, p. 1903-1914, 2011. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000700030&lng=en. Acesso em mar 2014.

    LIMA, L.D.; QUEIROZ, L.F.N. O processo de descentralização e regionalização do SUS no contexto do Pacto pela Saúde. In: Machado, C.V.; Baptista ,T.W.F.; Lima, L.D. (Orgs.) Políticas de saúde no Brasil: continuidades e mudanças. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2012. p: 229-251.

    MARQUES, E. C. Redes sociais e instituições na construção do Estado e da sua permeabilidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 14, n. 41, out. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v14n41/1751.pdf. Acesso em mar 2014.

    MARQUES, E. C. Estado e redes sociais: permeabilidade e coesão nas políticas urbanas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: REVAN; São Paulo: FAPESP, 2000.

    MARQUES, E. C. Public policies, power and social networks in brazilian urban policies. Latin Research Review, v.47, n.2, p. 27-50, 2012. Disponível em: https://lasa.international.pitt.edu/LARR/prot/fulltext/vol47no2/47-2_27-50_Marques.pdf. Acesso em mar 2014.

    MARQUES, E. C. Redes sociais, instituições e atores políticos no governo da cidade de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2003.

    MARQUES, E. C. Public policies, power and social networks in brazilian urban policies. Latin Research Review, v.47, n.2, p. 27-50, 2012. Disponível em: https://lasa.international.pitt.edu/LARR/prot/fulltext/vol47no2/47-2_27-50_Marques.pdf. Acesso em mar 2014.

    MARQUES, E. C. Government, Political Actors and Governance in Urban Policies in Brazil and São Paulo: Concepts for a Future Research Agenda. BPRS, (2013) 7 (3), p.8 – 35. Disponível em: http://www.bpsr.org.br/index.php/bpsr/article/view/176/164. Acesso em julho de 2014.

    MENDES, E. V. A Modelagem das Redes de Atenção à Saúde. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, 2007. Disponível em:http://www.saude.es.gov.br/download/A_MODELAGEM_DAS_REDES_DE_ATENCAO_A_SAUDE.pdf. Acesso em mar 2014.

    OUVERNEY, A.M.; NORONHA, J.C. Modelos de organização de gestão da atenção à saúde: redes locais, regionais e nacionais. In: FIOCRUZ et al. (Org.). A saúde no Brasil em 2030: prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: organização e gestão do sistema de saúde. volume 3. Rio de Janeiro : Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2013. p. 145-186.

    PAULA, Ana Paula P. de. Por uma nova gestão pública: limites e potenciais da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005. 204p.

    PROCOPIUCK, M.; FREY, K. Redes de políticas públicas e de governança e sua análise a partir da websphere analysis. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 17, n. 34, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsocp/v17n34/a06v17n34.pdf. Acesso em mar 2014.

    SANTOS, L.; ANDRADE, L. O. M. Redes interfederativas de saúde: um desafio para o SUS nos seus vinte anos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 3, p. 1.671-1.680, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n3/02.pdf. Acesso em mar 2014.

    SANTOS, M.H.C. Governabilidade, governança e capacidade governativa: algumas notas (Texto para discussão, 11). Brasília: Mare/Enap, 1996.

    SANTOS, M.H.C. Governabilidade, governança e democracia: criação de capacidade governativa e relações executivo-legislativo no Brasil pós-constituinte. Dados, v. 40, n. 3, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52581997000300003. Acesso em mar 2014.

    SCATENA, J.H.G; KEHRIG, R.T.; SPINELLI, M.A.S. (org.). Regiões de Saúde: diversidade e processo de regionalização em Mato Grosso. São Paulo: Hucitec Editora, 2014, p. 426-450

    SCHNEIDER, V. Redes de políticas públicas e a condução de sociedades complexas. Civitas, v. 5, n. 1, p. 29-58, 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/viewFile/33/1605 .Acesso em mar 2014.

    SOUZA, R. R. A regionalização no contexto atual das políticas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v.6, n.2, p. 451-455, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232001000200014. Acesso em mar 2014.

    VIANA, A. L. D. et al. Novas perspectivas para a regionalização da saúde. São Paulo em Perspectiva, v.22, n.1, p. 92-106, 2008. Disponível em: http://www.seade.gov.br/produtos/spp/v22n01/v22n01_07.pdf. Acesso em mar 2014.

    VIANA, A. L. D.; ELIAS, P. E. M.; Ibañez, N. (Orgs.) Saúde, Desenvolvimento e Território. São Paulo: Hucitec, 2009.

    VIANA, A.L.D. et al. Sistema de saúde universal e território: desafios de uma política regional para a Amazônia Legal. Cadernos de Saúde Pública, n. 23, Sup. 2, p. S117-S131, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v23s2/01.pdf. Acesso em mar 2014.

    VIANA A.L.D., LIMA L.D. (Orgs). Regionalização e relações federativas na política de saúde do Brasil. Rio de Janeiro: Contracapa. 2011.

    VIANA, A.L.D., LIMA, L.D., FERREIRA, M.P. Condicionantes estruturais da regionalização na saúde: tipologia dos Colegiados de Gestão Regional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 5, p. 2317-2326, 2010. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/descentralizacao/cibs/pdf/Artigo_Condicionantes_Estruturais-Regionalizacao.pdf. Acesso em mar 2014.

    VIANNA, R.P.; LIMA, L.D. Colegiados de Gestão Regional no estado do Rio de Janeiro: atores, estratégias e negociação intergovernamental. Physis, v.23, n.4, p. 1025-1049, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312013000400002&lng=en&nrm=iso. Acesso em mar 2014.


    Internacionais


    BARBERIS, E. Rapporti territoriali e coordinamento: una contestualizzazione della governance sociale in Itália. Rivista delle Politiche Sociali / Italian Journal of Social Policy, 1/2010.

    BÁSCOLO, E. Gobernanza de las organizaciones de salud basados en Atención Primaria de Salud. Rev. Salud Pública (Bogotá), v. 12, Sup 1, p. 8–27, 2010. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsap/v12s1/v12s1a02.pdf. Acesso em mar 2014.

    BÖRZEL, T. A.; RISSE, T. Governance without a state: Can it work? Regulation & Governance, v. 4, n. 2, p. 113–134, 22 jul. 2010. Disponível em: http://www.polsoz.fu-berlin.de/polwiss/forschung/international/atasp/publikationen/4_artikel_papiere/2010_TR_Governance_without_a_State/j_1748-5991_2010_01076_x.pdf?1367709653. Acesso em mar 2014.

    BORZEL, T.A. Governance with/out Government. False Promises or Flawed Premises? SFB-Governance Working Paper Series, No. 23, Research Center (SFB) 700, Berlin, March 2010. Diponível em: http://www.sfb-governance.de/publikationen/sfbgov_wp/wp23/index.html. Acesso em mar 2014.

    CARBONI, Carlo (a cura di). La governance dello sviluppo locale. Città e territori in Italia nell’epoca della globalizzacione. Bologna: Le Edizioni del Mulino, 2009.

    CARMONA, Rodrigo Reynaldo Repensando las formas de gobierno y gestión pública en grandes ciudades : un análisis sobre políticas de articulación multiactoral y gobernanza en la Ciudad Autónoma de Buenos Aires y Rosario. Buenos Aires: FLACSO, 2009. 288 p. Disponível em: http://www.flacsoandes.org/dspace/handle/10469/1387#.U01USVdgwfg. Acesso abril 2014.

    CONTANDRIOPOULOS, D., DENIS, J.-L., LANGLEY, A. and VALETTE, A. (2004), Governance Structures and Political Processes in a Public System: Lessons from Quebec. Public Administration, 82: 627–655. doi: 10.1111/j.0033-3298.2004.00410.x

    DALY M. (2003). Governance and Social Policy. Journal of Social Policy, 32, pp 113-128. doi:10.1017/S0047279402006840.

    DEFARGES, P.M. La Gouvernance. Paris: PUF, 2008.

    DENIS J-L et al. Reforme et gouvernance en santé: L´attrait pour un managérialization de l´action publique. In: Labourier, P. ; Noreal, P. ; Rioux, M. ; Rocher, G. Reforme en santé et en justice: Le droit et la governance. Montréal: Les Presses de L´Université Laval, 2008.

    DENIS J-L. Governance and management of change in Canada’s Health System. Discussion Paper n.o 36. University of Montréal: Commission on the Future of Health Care in Canada, November 2002. Disponível em:http://publications.gc.ca/collections/Collection/CP32-79-36-2002E.pdf. Acesso em mar 2014.

    FIRMINO, S. Os Novos Arranjos Institucionais na Governança Pública: O Caso das Parcerias Público-Privadas. Estudo comparativo entre o Sul e o Norte da Europa. Revista da Associação Portuguesa de Sociologia, on line, n. 2, 2011. Disponível em: http://revista.aps.pt/cms/files/artigos_pdf/ART4dc40f3ee8b26.pdf. Acesso em mar 2014.

    GENSINI, Gian Franco; NICELLI, Anna lisa; TRABUCCHI, Marco; VANARA, Francesca (a cura di). Rapporto Sanità 2013. Sistema sanitario e sviluppo del Paese: alcune specificità in tempo di crisi. Bologna: Le Edizioni del Mulino, 2013.

    GENSINI, Gian Franco; NICELLI, Anna Lisa; TRABUCCHI, Marco; VANARA, Francesca (a cura di). Rapporto Sanità 2012. Strategie per Il contenimento dei costi in sanità tra esigenze cliniche, organizzative ed economiche. Bologna: Le Edizioni del Mulino, 2012.

    HUFTY, M.; BÁSCOLO, E.; BAZZANI, R. Gobernanza en salud: un aporte conceptual y analítico para la investigación. Cad. saúde pública, v. 22, n. supl, p. S35–S45, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v22s0/03.pdf. Acesso em mar 2014.

    HUPE, PL; HILL, MJ. The Three Action Levels of Governance: Re—framing the Policy Process Beyond the Stages Model in PETERS, BG; PIERRE, J. Handboolk Of Public Policy

    KAZEPOV, Y. From Citizenship to Cit(y)zenship Cities within multi‐level governance arrangements in Europe 2014. (University of Urbino, Italy)
    Disponível em: http://www.resbr.net.br/wp-content/uploads/historico/kazepov.pdf

    KASEPOV, Yuri. Le trasformazioni del welfare in Europa: spunti di riflessione su attori e processi del cambiamento. In: PALAZZO, Federico. (a cura di). Il welfare nelle Marche. Attori, strumenti, problemi. Roma: Carocci, 2008. pp. 28-48.

    KASEPOV, Yuri. The subsidiarization of social policies: actors, processes and impacts. European Societies, 10:2. 2008. pp. 247-273
    Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14616690701835337#.UzD8EK1dVjg

    KASEPOV, Yuri (ed.). Rescaling Social Policies: Towards Multilevel Governance in Europe. Vienna: European Centre for Social Welfare Policy and Research, 2010. Colezione Public Policy and Social Welfare, volume 38.

    KASEPOV, Yuri (a cura di). La dimensione territoriale delle politiche sociali in Itália. Roma: Carocci, 2009.

    KASEPOV, Yuri; GENOVA, Angela. From Government Fragmentation to Local Governance: welfare reforms and lost opportunities in Italy. In: HENMAN, Paul; FENGER, Menno (eds). Administering Welfare Reform: International transformations in welfare governance. Bristoll Policy Press, 2006. pp. 233-255.

    KASEPOV, Yuri; ARLOTTI, Marco; BARBERIS, Eduardo; ROLT, Barbara da; SABATINELLI. Rescaling Social Welfare Policies in Italy. A comparative study on the path towards multi-level governance in Europe. National report Italy. Áustria: European Centre for Social Welfare Policy and Research, 2006.

    KASEPOV, Yuri; BARBERIS, Eduardo. La dimensione territoriale delle politiche sociali in Europa: alcune riflessioni sui processi di rescaling e governance. In: La Rivista Italiana delle Politiche Sociali. Special issue on “L’Europa delle Regioni”, 2008. pp. 51-78.

    KASEPOV, Yuri; BARBERIS, Eduardo. Tendenze e prospettive dei welfare state europei. In: CAMPEDELLI, Massimo; CARROZZA, Paolo; PEPINO, Livio (a cura di). Diritto di welfare. Manuale di cittadinanza e istituzioni sociali. Bologna: Il Mulino, 2010. pp. 141-184.

    KASEPOV, Yuri; BARBERIS, Eduardo (a cura di). Il welfare frammentato. Le articolazioni regionali delle politiche sociali italiani. Roma: Carocci Editore, 2013.

    KASEPOV, Yuri; BARBERIS, Eduardo. Social Assistance Governance in Europe. Towards a muli-level perspective. In: MARX, Ive; KENNETH, Nelson (ed.). Minimum Income Protection in Flux. England: Palgrave Macmillan, 2012. (Work and Welfare in Europe Series).

    KIELY, R. Neo-liberalism revised? A critical account of World Bank concepts of good governance and market friendly intervention. Capital & Class, p.63-88, Spring, 1998.

    LASCOUMES, Pierre; LES GALÉS, Patrick (org.). Gli strumenti per governare. Milano: Bruno Mondadori, 2009.

    MORAN, M. Health Policy in PETES, BG; PIERRE, J. HANDBOOLK Of PUBLIC POLICY

    NAVARRO GÓMEZ, Carmen. Gobernanza en el ámbito local. VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Lisboa, Portugal, 8-11 Oct. 2002. Disponível em:http://unpan1.un.org/intradoc/groups/public/documents/CLAD/clad0043412.pdf. Acesso em abril de 2014.

    OOSTERLYNCK, Stijn; KAZEPOV, Yuri; NOVY, Andreas; COOLS, Pieter; WUKOVITCH, Florian; SARUIS, Tatiana; BARBERIS, Eduardo; LEUBOLT, Bernhard. Exploring the multi-level governance of welfare provision and social innovation: welfare mix, welfare models and rescaling. ImPRovE Discussion Paper No. 13/12. Antwerp, 2013.
    [This paper can be downloaded from: http://improve-research.eu]

    OOSTERLYNCK, Stijn; KAZEPOV, Yuri; NOVY, Andreas; COOLS, Pieter; WUKOVITCH, Florian; SARUIS, Tatiana; BARBERIS, Eduardo; LEUBOLT, Bernhard. The butterfly and the elephant: local social innovation, the welfare state and new poverty dynamics. ImPRovE Methodological Paper No. 13/02. Antwerp, 2013.
    [This paper can be downloaded from: http://improve-research.eu]

    OSTROM, E. Governing the Commons: The Evolution of Institutions fot Collective Action. New York: Cambridge University Press, 1990.

    OSTROM, E. Institutional rational choice: an assessment of the institutional analysis and development framework. In: SABATIER, P. (Ed.). Theories of the policy process. 2. ed. Boulder, CO: Westview Press, 2007. p. 21-64.

    O’TOOLE, L.J. and HANF, K.I. (2003) Multilevel governance networks and the use of policy instruments in the European Union. In: Achieving Sustainable Development: The Challenge of Governance across Social Scales. Praeger, Westport, Connecticut, pp. 257-279. ISBN 9780275978020. Disponível em: http://www.mzes.uni-mannheim.de/projekte/typo3/site/fileadmin/research%20groups/1/teamB-reader/Hanf%20%26%20O%27Toole_Multi-level%20governance%20networks.pdf. Acesso em abril de 2014.

    PRAKASH Aseem & HART Jeffrey A. (editors) 1999. Globalization and Governance. London: Routledge.

    Peters, BG. Concepts and Theories of Horizontal Policy Mangement in Peters, BG; Pierre, J. HANDBOOLK Of PUBLIC POLICY

    RHODES, R.A. The new governance: governing without government. Political Studies, v.44, n.4, p.652-667, sept. 1996.

    RISSE, T. Governance Under Limited Sovereignty. Paper Prepared for Marty Finnemore/Judith Goldstein (eds.), Back to Basics: Rethinking Power in the Contemporary World. Essays in Honor of Stephen D. Krasner. Presented at the Annual Convention of the American Political Science Association, Washington DC, Sept. 1 – 5, 2010. Disponível em:http://www.princeton.edu/~pcglobal/conferences/basics/papers/risse_paper.pdf. Acesso em mar 2014.

    ROVERE, M. Redes En Salud. Un Nuevo Paradigma para el abordaje de las organizaciones y la comunidad, Rosario: Ed. Secretaría de Salud Pública/AMR, Instituto Lazarte (reimpresión), 1999.

    SCOTT, J. Social Network Analysis: A Handbook. New York: Sage, 2012.

    SOUZA SANTOS, Boaventura. A crítica da governação neoliberal: o Fórum Social Mundial como política e legalidade cosmopolita subalterna. Revista Crítica de Ciências Sociais, 72, Outubro 2005: 7-44. Disponível em:http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/governacao_neoliberal_RCCS72.PDF.

    TORFING Jacob B., PETERS Guy, PIERRE Jon and SORENSEN Eva. Interactive Governance: advancing the paradigm. New York: Oxford, 2012.

    TOUATI, N.; ROBERGE, D.; DENIS J-L.; PINEAULT, R,; CAZELE, L.; TREMBLAY, D. Governance, health policy implementation and the added value of regionalization. Healthcare Policy, v. 2, n 3, p. 97-114, 2007. Disponível em:http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2585452/ . Acesso em mar 2014.

    VASUDHA, C.; STOKER, G. Governance theory and practice. Sage, 2004.

    VICARELLI, Giovanna (a cura di). Regolazione e governance nei sistemi sanitari europei. Bologna: Le Edizioni del Mulino, 2011.

    WILLIAMSON, O.L. Transaction-cost economics: the governance of contractual relations. Journal of Law and Economics, v. 22, n. 2, p. 233-261 , 1979. Disponível em: https://faculty.fuqua.duke.edu/~charlesw/s591/Bocconi-Duke/Papers/C09/Williamson79.pdf. Acesso em mar 2014.

    ZURBRIGGEN, Cristina. Beyond governance theories: a Latin American Perspective. Sem data. Disponível em:http://paperroom.ipsa.org/papers/paper_12618.pdf. Acesso abril de 2014.

    ZURBRIGGEN, Cristina. Gobernanza: una mirada desde América Latina. Perf. latinoam. [online]. 2011, vol.19, n.38, pp. 39-64 . Disponible en: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0188-76532011000200002&lng=es&nrm=iso. Acesso em abril de 2014.

    ZURBRIGGEN, Cristina. La utilidad del análisis de redes de políticas públicas. Argumentos (Méx.) [online]. 2011, vol.24, n.66, pp. 181-209 . Available from: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0187-57952011000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em abril de 2014.