Região e Redes em Santa Catarina

AnaC

A pesquisadora de Região e Redes Ana Paula Chancharulo, da Universidade de São Paulo (USP), foi palestrante e participou de oficina no Seminário Educação permanente para a reorientação profissional que atua em Redes de Atenção à Saúde, no Planalto Norte Catarinense (SC), realizada na última semana de março.

A palestra de Chancharulo, intitulada Redes e região e a organização da Saúde Pública Brasileira, tratou das questões históricas acerca da saúde pública brasileira, do processo de implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) desde a descentralização até a regionalização e da instituição das Redes de Atenção à Saúde.

Além disso, ela expôs o atual estágio de organização e funcionamento das redes temáticas no âmbito do SUS – Rede de Urgência e Emergência (RUE), Rede Cegonha, Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência (Rede Viver sem Limites) e Rede de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas.

O objetivo foi traçar uma análise acerca dos limites e possibilidades das redes regionalizadas no SUS para garantir um acesso oportuno e uma atenção integral pautados na universalidade e na equidade.

Com base no relato dos participantes, a oficina Redes e Região e a Organização da Saúde Pública Brasileira e Atenção Básica e sua interferência na promoção da saúde analisou o estágio atual da constituição das redes regionalizadas na região de saúde do Planalto Catarinense. Posteriormente, foram identificados os principais problemas e elaboradas sugestões para enfrentar os desafios. O cenário criado para as estratégias de intervenção teve como base a existência de recursos e a governabilidade dos participantes para o enfrentamento das dificuldades.

Organização

Organizado pelo Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (SC), o objetivo do evento foi o de ampliar o olhar sobre atenção básica e promoção de saúde através do intercâmbio de conhecimento e reorientação profissional. Mas buscou-se também analisar as mudanças promovidas pela política pública de promoção de saúde no que tange à efetividade da atenção básica e sua organização e operacionalização territorializada em rede.

Participaram do encontro estudantes de graduação, pós-graduação, pesquisadores, gestores e profissionais de saúde. O seminário foi organizado no formato de palestras e oficinas temáticas, que abordaram os temas: território, regionalização da saúde, políticas públicas, cenários das regionais de saúde de Santa Catarina (SC) e educação permanente no estado.