Tecnologia social e desenvolvimento local: reflexões a partir da análise do Programa Um Milhão de Cisternas

RESUMO O Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC) é considerado um dos casos de desenvolvimento de tecnologias sociais mais exitosos no Brasil, levando benefícios significativos para a população do Semiárido Brasileiro (SAB) desde sua criação, em 2003. A complexidade sociotécnica que encerra um programa como esse demanda a utilização de um referencial analítico adequado, não apenas à compreensão da tecnologia em si, mas das condições sociais e técnicas do entorno. O sucesso do P1MC, em comparação com outras iniciativas orientadas para a garantia do acesso à água no SAB, reside, sobretudo, na mudança da forma como o problema a ser atacado foi construído: a tradicional abordagem de políticas orientadas para o combate à seca passa a ser substituída por uma perspectiva de convivência com a seca. A posição central nesse processo é ocupada pela cisterna, “tecnologia social” que, para além do acesso à água, tem garantido a inclusão social, o empoderamento de atores politicamente marginalizados e a construção de laços de solidariedade e de cooperação nas comunidades. Este artigo examina essa experiência, procurando apontar para a possibilidade – e a necessidade – de um diálogo sistemático entre a tecnologia social e o desenvolvimento local. (Por Rafael de Brito Dias)

Clique aqui

Back
Compartilhar

Tecnologia social e desenvolvimento local: reflexões a partir da análise do Programa Um Milhão de Cisternas